Posts Marcados venda

Marcas de motocicletas presentes no mercado brasileiro

logos de mtocicletas

Em breve links e mix de produtos.

Anúncios

, , , , , , ,

Deixe um comentário

O preço do engarrafamento

Trânsito custa até R$7.390 por ano a motoristas do Rio. Veja como reduzir esse gasto

Rio – No Rio, motoristas chegam a perder, em média, cerca de 40 minutos nos congestionamentos. Segundo informações da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Rio), nos horários de superpico, um trajeto que poderia ser feito em dez minutos pode saltar para 50 e o gasto com combustíveis aumenta.

Engarrafamentos são constantes
Calcula-se que, com esta perda de tempo, os motoristas gastam até 30% a mais para encher o tanque, alertam os especialistas. Em um ano, o gasto com combustíveis pode variar entre R$ 2.890 e R$7.390, segundo levantamento da Jato Dynamics, empresa do setor automotivo.

Para evitar gastos ainda maiores com os congestionamentos rotineiros, a dica é ficar atento aos trajetos que são feitos com frequência. “Fugir dos horários de pico é a melhor maneira para evitar maior consumo de combustível. Caso não seja possível fugir das filas de carros, o ideal é ter em mente uma rota alternativa, importante para esses momentos”, destaca o gerente de desenvolvimento de negócios da Jato Dynamics, Milad Kalume Neto.
No Rio, as vias mais congestionadas nos horários de pico são: Avenida Brasil, Linha Vermelha, Linha Amarela e os acessos que ligam a Barra da Tijuca na Zona Oeste aos bairros da Zona Sul. “Existe uma grande quantidade de obras pela cidade, o que faz o trânsito, naturalmente, ficar mais lento. Porém, o maior problema que enfrentamos é a frota de veículos que cresce 4% por ano”, explica Ricardo Lemos, diretor de desenvolvimento da CET-Rio.

Consumo excessivo pode ser evitado
Para reduzir o consumo de combustível no ‘anda e para’ dos congestionamentos é necessário reduzir o gasto na hora de abastecer. “Deixar o carro ligado quando parado no congestionamento pode representar gasto de um a dois litros de combustível por hora, dependendo do tamanho do motor. Por isso, o ideal seria desligar o carro quando a parada for superior a um minuto”, explica Amos Lee Harris Júnior, diretor da Universidade Automotiva (Uniauto).

Entrevista concedida ao jornalista Bruno Dutra – Repórter de economia – Jornal O Dia. 16/05/2013 00:07:51 http://odia.ig.com.br/noticia/economia/2013-05-16/o-preco-do-engarrafamento

, , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Revenda: seis dicas para valorizar o seu carro

Mais cedo ou mais tarde, vai chegar a hora de trocar o seu carro por outro. Em busca de bons negócios, lojistas e concessionários costumam pagar um valor cerca de 20% abaixo da tabela, afinal, eles terão gastos com manutenção e documentos, por exemplo, além de lucro. Entretanto, alguns truques simples podem valorizar o seu automóvel antes da revenda.

A principal dica é nunca ir primeiro na loja que você está disposto a comprar um carro. Deve-se passar em outras lojas, conhecer modelos da mesma categoria, aprender a negociar e, aí sim, chegar onde a pessoa quer. No fim, estará preparada para barganhar”, explica o diretor da Universi dade Automotiva, Amos Lee Harris Júnior.

Automóveis com até três anos de uso e 50 mil km rodados estão em um parâmetro aceitável e são mais fáceis de serem vendidos. Os próprios bancos facilitam o financiamento de veículos com esse perfil, o que aumenta o interesse dos revendedores. “Muitas vezes, a pessoa tem um perfil bom para o financiamento, mas o carro não”, ressalta Harris Júnior.

Segundo ele, o período certo para barganhar com lojistas e concessionários é o final de cada mês. “O ideal seria vender e comprar um novo carro perto da última semana, quando estão todos querendo bater metas e, normalmente, descem os preços e avaliam melhor o seu carro”.

Troca com troco

O automóvel é um patrimônio valioso, que também pode ajudar o dono a quitar dívidas. Na hora de dar um carro de R$ 20 mil como entrada, o proprietário pode pedir para abater R$ 15 mil e receber R$ 5 mil em dinheiro, quantia que pode ser usada para pagar um cartão de crédito ou outras contas atrasadas, por exemplo. É o que o mercado chama de “troca com troco”.

Passo a passo para um bom negócio

Concessionárias

Visite, primeiro, as concessionárias ou lojas que você menos espera fechar negócio. Conheça outros modelos e negocie. Depois, vá até a revenda que você acredita ser a ideal para vender e comprar um carro. Passe em concessionárias de marcas diferentes e iguais ao do modelo mais desejado. Você pode descobrir ofertas ou produtos melhores.

Perfil ideal

Carros com até três anos e 50 mil km rodados são os preferidos dos revendedores.

Época certa

A última semana de cada mês costuma facilitar as negociações. É quando os lojistas se tornam mais maleáveis, a fim de baterem suas metas.

Troca com troco

Se você tiver um carro avaliado em R$ 20 mil para dar de entrada, por exemplo, negocie com o vendedor para ele abater R$ 15 mil e lhe devolver R$ 5 mil em dinheiro, valor que pode ser usado para quitar dívidas ou contas.

Pronta entrega

Depois de fechar negócio, muitas concessionárias pedem para o seu carro ficar na loja, mesmo sem ter o zero km de pronta entrega. Como você ficará sem carro até o novo ficar pronto, vale pedir, por exemplo, o tanque cheio para compensar o tempo que ficou “desmotorizado”.

Preços tabelados

O preço de tabela ajuda para balizar vendas para pessoas físicas. Já as pessoas jurídicas costumam descer, em média, 20% o valor tabelado em função de futuras manutenções. Modelos com “duas cabeças”, ou seja, fabricados em um ano mas com modelo do ano posterior devem ser tabelados pelos numeral da direita. Ou seja, se o carro é 2010/2011, a referência na tabela é o ano de 2011.

Entrevista concedida ao jornalista Luiz Nemer  – Repórter do caderno Motor, do jornal A Gazeta e colaborador da Rádio CBN Vitória, com o quadro Pit Stop CBN       *Matéria publicada no caderno Motor, de A Gazeta, em 27/04/13 e blogs.gazetaonline.com.br/pitstop em 29.04.13

, , , , , , , ,

Deixe um comentário

AUTO SHOPPINGS – Veículos usados, novos e serviços

Auto Shopping é um empreendimento comercial que reúne várias revendas de veículos multimarcas usados em um único ambiente delimitado. Muitos destes lugares são cobertos e destinados à exposição e à comercialização. Os shopping centers temáticos de veículos automotores são uma alternativa mais confortável e possuem uma estrutura organizacional mais adequada do que as revendas estabelecidas nas ruas. Na realidade, muitas lojas migram, como alternativa, para os auto shoppings e mantêm, também, suas atividades como revendas de rua. São cerca de 100 auto shoppings em operação no Brasil, congregando mais de 3 mil lojas, que abrem uma nova frente de trabalho em torno de 40 mil empregos diretos. Os maiores beneficiados desta nova modalidade são os clientes, pois encontram nos auto shoppings uma variedade imensa de veículos, com opções e facilidades de pagamento entre diversas entidades financeiras, possibilidades de negociação, documentação e entrega imediata, além de outros fatores favoráveis, como segurança, estacionamento, praça de alimentação e ambiente profissional.

, , , , ,

Deixe um comentário

CONCESSIONÁRIAS – Concessionárias de autoveículos oficiais de marcas

Concessionárias são empresas nomeadas por fabricantes de produtos ou prestadores de serviços, que detêm a concessão de uma determinada marca e que a representa comercialmente em área previamente estipulada, operando criteriosamente dentro dos padrões, conceitos, métodos e em sintonia com os preceitos definidos pela marca (empresa) concedente. No setor automotivo, em vários segmentos, é comum constatar que muitas empresas atuam como revendas de produtos ou prestação de serviços em regime de concessão. As empresas que comercializam os autoveículos novos, nacionais e importados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, tratores e motocicletas), são concessionárias oficiais, representando mais de 100 marcas de autoveículos presentes no mercado brasileiro. Cerca de 7 mil concessionárias atuam em todo território nacional, gerando mais de 350 mil empregos diretos, sendo responsáveis por 5% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro. Um novo perfil empresarial vem se destacando no universo das concessionárias no Brasil pois muitas empresas com foco totalmente voltado para o comércio de veículos novos detêm a concessão de várias bandeiras, formando grandes grupos multimarcas de âmbito nacional e até multinacional.

, , , , , , ,

1 comentário

%d blogueiros gostam disto: